PARALISIA FACIAL

08/09/2010 18:07

A Paralisia Facial é um distúrbio (paresia) ou uma paralisia total de todos, ou alguns, músculos da expressão facial. A paralisia Facial pode ser classificada como:

* Central e Periférica

No primeiro caso há lesões ou doenças no cérebro, mais exatamente no encéfalo (sistema nervoso central), que envia informações para o nervo facial. Na periférica, há lesões ou doenças no próprio nervo facial, que enerva os músculos da face. Os sintomas e manifestações de cada uma delas também serão diferentes. 
Quando há lesão do nervo facial ou do núcleo facial, a paralisia é ipsilateral à lesão e flácida, ou seja, lesão de motoneurónios inferiores. Com o passar do tempo ocorre atrofia muscular associada. As rugas e pregas faciais normais, devido à inserção do músculo na pele, desaparecem conferindo uma aparência uniforme e inexpressiva à hemiface afetada. O doente torna-se incapaz de fechar completamente o olho da hemiface afetada, o que frequentemente origina ausência de lacrimação, fazendo com que a córnea resseque. O canto da boca tende a cair e há tendência para que o doente se “babe” por esse canto.

As lesões que atingem apenas algum dos ramos terminais do nervo facial só originam a perda dos músculos por eles enervados. No entanto, quando parciais, as lesões nucleares podem envolver grupos musculares seleccionados, dado que subnúcleos específicos do nervo facial enervam músculos ou grupos musculares-a-salvo específicos. 

A etiologia da paralisia facial pode ser dividida em: traumática, infecciosa, neoplásica, metabólica, congénita, vascular, tóxica e idiopática.
A paralisia facial de ordem traumática pode acometer os indivíduos sob várias formas, como por exemplo:

  • Objetos cortantes ou perfurantes;
  • Projéteis de arma de fogo na face;
  • Acidentes automobilísticos;
  • Traumas cirúrgicos;
  • Entre outros.

 Podemos ter algumas lesões do nervo facial de origem infecciosa, como:          

  • Meningite: com comprometimento da bainha do nervo craniano, as reacções inflamatórias ou exsudativas causam paralisia facial.
  • Otite: ocorre compressão, inflamação ou mesmo destruição do nervo facial, pois a otite pode-se apresentar desde uma leve supuração até a necrose dos ossos.
  • Herpes Zoster: ocorre por um processo inflamatório agudo em gânglios sensitivos, o vírus atinge por um processo desconhecido, nervos do mesmo lado de um corpo. Ocorre o aparecimento de vesículas, dores, diminuição sensibilidade e por fim a paralisia do nervo.

As lesões do nervo facial pelas neoplasias podem dar-se por:

  • Compressão do nervo ou destruição do mesmo, devido ao processo neoplásico;

As neoplasias mais comuns são: da glândula parótida, do tronco cerebral e quarto ventrículo, do ângulo ponto cerebelar na base do crânio.

Nas disfunções metabólicas temos:

  • Os diabéticos, por exemplo;

Há dois tipos de paralisias faciais congênitas:

  • Não desenvolvimento dos núcleos celulares pontinos, que dariam origem às fibras do nervo facial.
  • Paralisia facial do tipo "Heller", que consiste na não formação do pavilhão da orelha e outras estruturas circunvizinhas.

A nível vascular:

  • Bloqueio na circulação arterial que nutre o nervo pode causar a paralisia facial.

Em relação à etiologia tóxica:

  • Somente a Toxicose pode causar lesão isolada do nervo facial, pois as demais lesões por agentes tóxicos fariam com que o nervo facial fosse mais um nervo afetado, já que há um quadro polineuropatia.

  Etiologia idiopática: é uma causa que não é conhecida; 

No caso de uma Paralisia Facial Periférica, a recuperação pode ocorrer em um a dois meses. No caso de uma Paralisia Facial Central, o prognóstico é variável, apesar de a maioria dos portadores desta patologia recuperarem completamente. 

Não existe um tratamento específico para as Paralisias Faciais, mas sim aspectos importantes a salientar como:

  • Se o olho não fechar completamente, deve deitar-se, gotas para que este não seque;
  • Se a Paralisia durar entre 6 a 12 meses, ou mesmo mais tempo, o cirurgião pode tentar ligar um nervo não afetado (normalmente retirado da língua) com o músculo facial paralisado; 
  • Em Fisioterapia, o tratamento pode durar de 15 dias a 3 semanas, nas Paralisias Faciais pouco severas, até 4 anos, nas formas mais graves (Neurinoma do VIII ou VII nervo Craniano).

    O tratamento das Paralisias Faciais pode incluir:

    • Massagem;
    • Eletroterapia;
    • Reeducação dos Músculos da Face;
    • Método de Kabat;
    • Estimulação com Gelo;
    • Exercícios Faciais.