DOR NA COLUNA

25/07/2013 14:28

Má postura, sedentarismo, obesidade e esforços físicos exagerados fizeram da dor lombar uma das queixas mais frequentes em consultórios médicos. E as queixas só vêm aumentando. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, aproximadamente 80% da população tem alguma dor lombar (a famosa dor nas costas) durante a idade adulta e pelo menos 1% destes apresentam ciatalgia, uma dor crônica na parte baixa das costas que também acomete o trajeto do nervo ciático.

Os principais tipos de dores da coluna são escoliose, hérnia de disco lombar e hérnia de disco cervical (estão entre as principais doenças da coluna).

A Hérnia Discal Lombar pode se apresentar como lombalgia, quando só dói a região lombar; ciatalgia, que irradia para as pernas pelo nervo ciático e lombociatalgia, que causa dor na região lombar e irradiada para as pernas. Muitas pessoas podem ter hérnias, mas não sentir os sintomas dolorosos. Na maioria das vezes, analgésicos, anti-inflamatórios, relaxantes musculares e fisioterapia resolve a questão. Atualmente existem várias opções de tratamento para hérnias discais. Desde tratamentos conservadores, fisioterapia, acupuntura, medicação até tratamentos cirúrgicos (invasivos ou convencionais e minimamente invasivos).

A Hérnia Discal Cervical tem sua origem idêntica à lombar, ou seja, uma ruptura no ânulo fibroso (camada externa do disco) leva ao extravasamento do conteúdo discal (núcleo pulposo). A sintomatologia, no entanto, pode ser diferente. Isto se deve ao fato de existir na coluna cervical a medula. Quando a hérnia acontece na altura da coluna vertebral cervical, a diferença maior é que os sintomas afetam membros superiores. A pessoa pode ter dor na escápula (região posterior), na região axilar, perto do trapézio ou extremo do ombro, irradiando pelos braços e podendo afetar até os dedos. Na maior parte das vezes o tratamento conservador resolverá o problema dentro de alguns dias. Mesmo após a resolução dos sintomas, faz-se necessário um acompanhamento regular para avaliar se os outros discos, sobrecarregados pela falência do disco doente, não vão também apresentar problemas. Se houver déficit motor ou alteração no controle dos esfíncteres, há indicação de cirurgia em caráter de urgência para que sequelas sejam evitadas. Casos aonde o tratamento conservador não consiga resolver a sintomatologia também são indicados, classicamente, o tratamento cirúrgico. O tratamento conservador é realizado com auxílio de medicamentos anti-inflamatórios, corticoides, relaxantes musculares, analgésicos, acupuntura e fisioterapia. Já o tratamento cirúrgico possui inúmeras alternativas desde os tratamentos convencionais, passando pelas cirurgias minimamente invasivas.

A Escoliose é a forma de deformidade espinhal mais conhecida pela curva anormal na coluna vertebral que aparece quando olhamos a pessoa ou “de frente” ou “de costas”. A doença é caracterizada, além da deformidade no sentido lateral da coluna, isto é, da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda, também por dor. Os sinais mais claramente identificados são a assimetria entre os ombros (um ombro mais alto que o outro), entre as cristas ilíacas (a proeminência óssea visível na região lateral do abdome) ou entre um lado e o outro do tórax. A escoliose não melhora com a idade, é uma doença progressiva, mas o diagnóstico e intervenção precoces podem minimizar a curvatura e impedir a progressão da doença. Os tratamentos, no entanto, dependem da idade e do grau da curvatura.