TUMOR CEREBRAL

09/12/2010 23:59
Um tumor cerebral é uma massa de células que crescem de forma anormal no cérebro. O tumor pode ser benigno (não canceroso, que tem pouca chance de esparramar) ou maligno (canceroso, que provavelmente vai se esparramar). Tanto benigno como maligno, os tumores cerebrais são graves porque é um tumor que cresce comprimindo e causando lesão às outras estruturas no cérebro.
Há duas categorias de tumores cerebrais: primários e secundários. Os tumores primários originam-se do tecido cerebral, podem ser benignos ou malignos, e são classificados pelo tecido o qual eles começam:
Gliomas: São os tumores cerebrais primários mais comuns, começam dentro do tecido glial do cérebro (tecido de suporte). Os gliomas incluem os astrocitomas, os glioblastomas, os oligodendrogliomas e os tumores do epêndima.
Meduloblastomas: Tumores que vêm de células embrionárias jovens e acontecem mais geralmente em crianças.
Meningiomas: São relacionados ao tipo de célula de revestimento das membranas que envolvem o cérebro e a espinha dorsal. Eles geralmente são benignos, mas podem ser recorrentes (que voltam freqüentemente) ou malignos.
Glioblastoma Multiforme: É um tumor de alto-grau que pode surgir de gliomas de baixo-grau.
Linfomas: Surgem dos linfócitos, normalmente em outras partes do corpo, mas também podem acontecer só dentro do cérebro ou da medula espinhal.
Um tumor cerebral também pode ser um câncer que esparramou para o cérebro, vindo de outra parte do corpo. Estes são chamados tumores secundários (ou metastáticos), e geralmente vem dos pulmões ou da mama. Quando isto acontece, o câncer será igual ao câncer original. Por exemplo, câncer do pulmão que se espalha para o cérebro é conhecido como câncer metastático de pulmão porque as células do tumor se assemelham às células pulmonares anormais, em lugar de células cerebrais anormais. Os tumores cerebrais secundários são mais comuns que os tumores primários. Eles acontecem em aproximadamente 25 por cento das pessoas que têm câncer em outro lugar.
Embora um tumor cerebral raramente cause dor de cabeça, as dores de cabeça em alguém sem história prévia, devem ser avaliadas por um profissional (neurologista). As dores de cabeça de um tumor cerebral tendem a ser pior ao despertar e a aliviar durante o dia. Outros sintomas dos tumores cerebrais incluem: vômitos e náuseas; ataques epiléticos; fraqueza nos braços ou nas pernas; dificuldades na fala ou nos movimentos; falta de coordenação ao caminhar; mudanças na visão ou movimentos anormais dos olhos; sonolência; mudanças na memória ou na personalidade.
Os sintomas específicos de um tumor cerebral dependem de seu tamanho e do local em que ele se encontra no cérebro.
O tratamento para um tumor cerebral depende de seu tamanho, local e tipo, como também a saúde da pessoa e sua idade. A equipe de médicos envolvida no tratamento pode incluir um neurologista, um oncologista e um neurocirurgião. Os principais métodos de tratamento incluem a cirurgia, a radioterapia e a quimioterapia. Muitas vezes, uma combinação de tratamentos é usada, como a cirurgia e a radioterapia. Antes do tratamento, podem ser dadas drogas como corticosteróides para reduzir o inchaço do tecido cerebral, e também podem ser prescritas drogas anticonvulsivantes para prevenir ou controlar os ataques epiléticos relacionados aos tumores.
Quando possível, a cirurgia é a primeira linha de tratamento e pode remover alguns tumores cerebrais benignos e malignos com sucesso. Os meningiomas, alguns ependimomas, gangliogliomas, e astrocitomas de cerebelo (área do cérebro responsável pelo equilíbrio) podem ser mais provavelmente tratados e curados através da cirurgia que outros tipos de tumor. Até mesmo se o tumor não pode ser removido inteiro, porque está preso a um tecido cerebral vital, os médicos irão freqüentemente retirá-lo para ajudar a reduzir a pressão intracraniana e aliviar os sintomas.
Porém, alguns tumores não podem ser removidos, ou a cirurgia é considerada arriscada. Em tais casos, uma biópsia pode ser feita para ajudar a determinar se outros tratamentos podem ser mais efetivos. Na biópsia, um pedaço pequeno de tecido é removido para ser examinado em um laboratório. A Cirurgia Estereotáxica é especialmente útil para alcançar tumores localizados profundamente dentro do cérebro e também para ajudar a definir os limites do tumor de forma que o tecido cerebral normal seja afastado. Isto abaixa a chance de efeitos colaterais e de lesões cerebrais durante a cirurgia.
A radioterapia só pode curar algumas formas de câncer cerebral. Por exemplo, até a metade de todos os meduloblastomas são curados através da radioterapia. A radioterapia também é usada quando a cirurgia não for uma opção.
A quimioterapia pode envolver uma droga ou uma combinação de drogas anticâncer, normalmente é tomada por via oral ou através de injeção. Os linfomas cerebrais respondem muito bem à quimioterapia, como também à radioterapia.
A descoberta e o início do tratamento precoces são a melhor chance de recuperação dos tumores cerebrais cancerosos e benígnos. O prognóstico também depende do tipo de tumor, de seu tamanho, do local onde ele se encontra, da idade da pessoa, da extensão da cirurgia, e do quanto o tumor afetou as capacidades da pessoa. Em geral, tumores de baixo grau têm um prognóstico melhor. Os meningiomas também tendem a ter um prognóstico bom porque normalmente não são cancerosos e podem ser removidos mais facilmente. Os astrocitomas de alto-grau e os glioblastomas multiformes tendem a ter uma perspectiva ruim, mas há exceções.
IMAGEM DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO ENCÉFALO DEMONSTRANDO MENINGIOMA DE FOSSA POSTERIOR (INFRATENTORIAL)

MENINGIOMA DE FOSSA POSTERIOR

MENINGIOMA DE FOSSA POSTERIOR

MENINGIOMA DA FOICE CEREBRAL (FALCINO)