HÉRNIA DISCAL LOMBAR

28/05/2013 19:20

A hérnia discal lombar consiste de um deslocamento do conteúdo do disco intervertebral, o núcleo pulposo, através de sua membrana externa, o ânulo fibroso, geralmente em sua região póstero-lateral. Dependendo do volume de material herniado, poderá haver compressão e irritação das raízes lombares e do saco dural, representadas clinicamente pela dor conhecida como ciática.

A origem da dor ciática é provavelmente multifatorial, envolvendo estímulo mecânico das terminações nervosas da porção externa do ânulo fibroso, compressão direta da raiz nervosa (com ou sem isquemia) e uma série de fenômenos inflamatórios induzidos pelo núcleo extruso.

O fator que desencadeia a dor ciática é a compressão mecânica da raiz nervosa pela hérnia discal. Em decorrência desta, há isquemia e fenômenos que sensibilizam a membrana à dor.

A hérnia discal ocorre principalmente entre a quarta e quinta décadas de vida, apesar de ser descrita em todas as faixas etárias.

Por ser tão comum, chega a ser considerada um problema de saúde mundial, em decorrência de incapacidade que gera.

Pode se atribuir um risco aumentado de hérnia discal ao tabagismo, exposição a cargas repetidas e vibração prolongada.

A predisposição genética tem sido alvo de estudos recentes.

O quadro clínico típico de uma hérnia discal inclui lombalgia inicial, que pode evoluir para lombociatalgia (em geral, após uma semana) e, finalmente, persistir como ciática pura. Mas devido às inúmeras possibilidades de apresentação de formas agudas ou crônicas, deve-se estar atento a formas atípicas de apresentação e preparado para fazer um apurado diagnóstico diferencial. Apesar de ser a principal causa de dor ciática, outras possibilidades, tais como tumores, instabilidade, infecção, devem ser afastadas. Um exame físico adequado é essencial para isso.

Atualmente, a hérnia discal lombar é o diagnóstico mais comum dentre as alterações degenerativas da coluna lombar (acomete 2 a 3% da população) e a principal causa de cirurgia de coluna na população adulta.

O tratamento inicial deve ser conservador, com manejo medicamentoso e fisioterápico.

A hérnia de disco lombar é uma condição que apresenta natureza benigna; a finalidade do tratamento é aliviar a dor, estimular a recuperação neurológica, com retorno precoce às atividades da vida diária e ao trabalho.

O tratamento conservador inclui fisioterapia de apoio com analgesia e relaxamento, principalmente através de exercícios e alongamentos. Outros métodos como acupuntura, quiropraxia e reeducação postural global (RPG) são indicados no tratamento para o alívio da dor.

O tratamento cirúrgico está indicado na falha do controle da dor, déficit motor e/ou sensitivo, dor radicular associada à estenose óssea foraminal ou síndrome de cauda equina, sendo esta última uma emergência médica. Uma técnica cirúrgica refinada, com remoção do fragmento extruso, e preservação do ligamento amarelo, resolve a sintomatologia da ciática e reduz a possibilidade de recidiva em longo prazo.

Hérnia de disco é uma patologia com um curso extremamente benigno.

O tratamento conservador é eficaz em 80% dos pacientes, dentro de quatro a seis semanas.

A indicação cirúrgica deve ser proposta na falha do tratamento conservador, ou na progressão dos sintomas neurológicos.

ABAIXO PODEMOS OBSERVAR IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA COLUNA LOMBO-SACRA DEMONSTRANDO HÉRNIA DISCAL L5-S1 PÓSTERO-LATERAL

ABAIXO OBSERVAMOS IMAGEM DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA COLUNA LOMBO-SACRA DEMONSTRANDO HÉRNIA DISCAL LOMBAR L4-L5 PÓSTERO-CENTRAL COM MIGRAÇÃO CAUDAL E HÉRNIA DISCAL LOMBAR L5-S1 PÓSTERO-LATERAL DIREITA EM UM PACIENTE DE 42 ANOS DE IDADE APRESENTANDO DOR LOMBAR E CIÁTICA BILATERAL