ANEURISMA CEREBRAL

10/12/2010 00:34
É um distúrbio que envolve a dilatação de um ou mais vasos sangüíneos no cérebro.
Os aneurismas cerebrais ocorrem quando há uma área enfraquecida na parede do vaso sangüíneo.
Pode ocorrer como um defeito congênito ou pode se desenvolver mais tarde, em qualquer período da vida.
Um aneurisma sacular (aneurisma em forma de baga) normalmente é pequeno em tamanho.
O aneurisma se assemelha a um saco de sangue preso a um lado do vaso sangüíneo por um pescoço estreito. São mais comuns em adultos.
Os aneurismas saculares múltiplos não são incomuns, eles ocorrem em qualquer parte do cérebro, mas são observados com mais freqüência em artérias grandes na base do cérebro.
O aneurisma sacular também é associado a doença policística dos rins ou coartação da aorta.
O aneurisma sacular raramente tem características hereditárias.
Outros tipos de aneurismas cerebrais podem envolver o enchimento (dilatação) de toda a circunferência do vaso sangüíneo em uma determinada área ou pode aparecer como um balão que sai de uma parte do vaso sangüíneo.
Normalmente, os sintomas não aparecem até que as complicações se desenvolvam.
O sangramento é a causa mais comum dos sintomas, com a hemorragia subaracnóidea sendo o tipo comum de sangramento.
Fraqueza, entorpecimento ou outras perdas de funções nervosas (déficit neurológico) podem ocorrer em decorrência de pressão do aneurisma em tecidos adjacentes do cérebro ou por causa do fluxo sangüíneo reduzido por um espasmo de outros vasos sangüíneos próximos ao aneurisma rompido.
Estima se que 5% da população tenha algum tipo de aneurisma.
No entanto, a incidência de aneurisma rompido é de aproximadamente 4 para cada 100.000 pessoas por ano.
Os sintomas de um sangramento podem incluir:
A ocorrência repentina de uma dor de cabeça (grave ou descrita como "a pior que o paciente já teve"); dores de cabeça com náuseas ou vômitos; pescoço rígido ou rigidez de nuca (ocasionalmente); fraqueza muscular, dificuldade para mover qualquer parte do corpo; entorpecimento ou sensações reduzidas em qualquer parte do corpo; alterações na visão; pálpebras caídas (ptose palpebral); alterações no estado mental, o paciente pode ter letargia, estar sonolento ou torporoso; convulsões; movimento lento, preguiçoso, letárgico; problemas de fala (ex.: afasia); irritabilidade ou pouco controle do temperamento.
O aneurisma cerebral normalmente é diagnosticado por exames para determinar a causa do inchaço (edema) dentro do cérebro como: Tomografia Computadorizada de Crânio; Angio-Ressonância Magnética de Crânio; exame do líquido cefalorraquidiano através de punção lombar; Eletroencefalograma, caso haja convulsões e Angiografia Cerebral Convencional com Subtração Digital por cateterismo seletivo (exame padrão ouro que determina o local do aneurisma).
Uma vez que os sintomas não aparecem até que ocorra sangramento, o aneurisma cerebral pode ser uma situação de emergência quando for descoberto. O objetivo do tratamento é o de controlar os sintomas e prevenir futuros sangramentos. A cirurgia é o tratamento primário para um aneurisma cerebral.

Acidente Vascular Encefálico Hemorrágico volumoso por ruptura de Aneurisma de Artéria Comunicante Anterior        

Hemorragia Subaracnóide por ruptura de Aneurisma Cerebral

Aneurisma de Artéria Carótida Interna intracraniana proximal

Aneurisma de Artéria Carótida Supraclinóide

Aneurisma de Artéria Carótida Interna com coil destacável

Aneurisma Cerebral de Artéria Comunicante Anterior